The Walking Dead: Something They Need (s07e15)

O penúltimo episódio dessa sofrida sétima temporada nos trouxe o que já esperávamos. Tivemos pouquíssimas novidades e obviamente teremos um último episódio corrido, agitado e que deixará aquele super ar de mistério para a oitava temporada. Algo de bem complicado deve ter acontecido com os produtores dessa temporada, pois não conseguiram agradar seu público. Não engulo essa de que a temporada foi muito violenta. Amiguinho, você está assistindo um seriado sobre um mundo pós apocalíptico cheio de zumbis. Ah! Mas a morte do Glenn…mimimi. Seriados e filmes de terror são assim mesmo, cheio de mortes e muitas delas violentíssimas. Será que se o Negan ou algum vilão tivesse uma morte tão violenta quanto a do Glenn a comoção seria a mesma? Polêmicas a parte, tivemos alguns acontecimentos nesse penúltimo episódio que podem e devem alterar o rumo das coisas.

*Contém Spoilers

Primeiro, vimos que Sasha foi capturada por Negan. Óbvio que o plano suicida dela não daria certo. Não deu. Ele chega com aquele jeitinho todo especial que só o Negan tem e convenientemente a salva de ser estuprada. Justo aquele que não consegue ficar de calças fechadas ao ver uma fêmea foi lá ser o recepcionista da nova prisioneira e Negan chega bem a tempo de mostrar que não é assim que as coisas funcionam por lá. Não acredito que tenha sido apenas uma obra do acaso. Negan provavelmente o mandou lá, porque sabia muito bem o que ele tentaria fazer e assim ele, Negan, poderia mostrar toda sua “justiça”. Seja como for, Sasha está em maus lençóis. Ela tenta dar uma de espertinha pra cima de Eugene, mas o que ela não contava era com a pílula mágica do amiguinho. Eugene realmente tenta ajudá-la, mas não exatamente para se matar que ela queria a arma, era pra matar Negan. Pelo jeito ela não aprendeu muito com o erro dela, né? Não percebeu que sem uma boa estratégia, só na base do improviso, será bem difícil matar o chefão dos Salvadores. Afinal, ele não é chefe por causa da carinha e corpinho bonito dele. Agora está lá, na toca dos leões, presa e sem saber como se safar dessa.

Enquanto isso, Rick e sua trupe vão atrás das mulheres e das armas de Oceanside. Lógico que vovó Natania não ia querer participar do plano de Rick e Tara e mais lógico ainda que ela não ia deixar suas meninas participarem de uma guerra contra um inimigo que já a fez tão mal certa vez. Ela realmente acredita que estão seguras e vão sair ilesas de tudo isso. O que ela não percebeu ainda é que se Tara achou sua comunidade, uma hora ou outra os Salvadores também vão. E aí, como fica? Entendo o lado dela, mas, ao mesmo tempo, fica complicado exigir que todas aceitem suas convicções. O plano de Rick dá certo, eles pegam as armas sem precisar matar as mulheres e ainda saem de lá com a semente da vingança contra os Salvadores plantada nos corações femininos. Chegando em Alexandria, as emoções não param. Quem tá lá? Rosita e não está sozinha, levou Dwight a tira colo. Daryl rosna como um cão raivoso e Rick resolve fechar com chave de ouro, pedindo que o rival se ajoelhe. Não combina com Rick, não acho uma atitude muito esperta, mas, novamente, é compreensível. E claro, o próximo episódio é o último e muita coisa vai acontecer nele, ao mesmo tempo que muitas outras serão deixadas para a oitava temporada. É assim que caminha a humanidade 😉

Notinhas

  • Foi legal ver o Negan enfiando a faca no pescoço do zé ruela tarado;
  • Finalmente Carl apareceu, embora tenha sido pouco relevante, estava na hora dele aparecer;
  • Aquela menina Rachel é durona, heim? Daria uma boa aquisição para o grupo de Rick;
  • Ansiosa pelo reencontro de Carol e Rick;
  • Como será que se formará esse novo “exército”?
  • Adivinha quem vai ser o dedo duro, boca mole, X9, fifi da temporada? Isso, ele mesmo: Sr Gregory covardão, chefinho de Hilltop.

Deixe uma resposta

Please use your real name instead of you company name or keyword spam.